sábado, julho 03, 2010

AUGE

No coração da mina mais secreta,
No interior do fruto mais distante,
Na vibração da nota mais discreta,
No búzio mais convolto e ressonante,
Na camada mais densa da pintura,
Na veia que no corpo mais nos sonde,
Na palavra que diga mais brandura,
Na raiz que mais desce, mais esconde,
No silêncio mais fundo desta pausa,
Em que a vida se fez perenidade,
Procuro a tua mão, decifro a causa
De querer e não crer, final, intimidade
"Intimidade" de José Saramago
O meu comentário???
Continuas a falar em simplicidade...
Nas pausas que se fazem ao longo do dia,
em que nos lembramos de quem nos aguarda.
Com essa serenidade,
essa brandura que,
pensa-se,
só se encontra na velhice..
Encontro-a,
todas as vezes,
que penso em ti...
Todas as vezes,
que te quero com tanta intensidade
que acho que vou morrer...
E já não estou no auge da minha vida...
Mas ainda não envelheci totalmente....

4 comentários:

avlisjota disse...

Linda a homenagem que fazes ao José Saramago, como tu também eu fiz a minha homenagem a este grande homem que muitos viram e viraram a cara. uns por cobardia, outros a quem o sol de tão fraco não suporta uma boa sombra por mais sol que ela traga...

Bjs

José

avlisjota disse...

Esqueci-me de referir a minha homenagem é musical por isso ainda não seu para publicar no blogue.

bj

Machado de Carlos disse...

Que bom que você veio! Sensacional, como é bom ler você. Procurar nas letras a sua sensibilidade e ser envolvido em cada ponto finalizado.
Delícia à frente de sua bela página!
Escreva sempre! Você entra e sai dentro da poesia!
Felicidades!
Beijos!...

O Profeta disse...

Esta ilha não tem fortuna
Trocou-a por um curioso mistério
Este irreal e intenso verde
Que inunda o olhar mais sério

Nesta ilha há um beijo na tua procura
Nesta ilha as pedras não têm idade
Nesta ilha as juras são lançadas à maresia
Nesta ilha o sonho é janela da verdade

Doce beijo