sexta-feira, abril 15, 2011

PÃO

vais ver
há-de romper uma noite
em que nem seremos capazes
de reconhecer a nossa própria voz
perguntando pelo nome
que fugiu da nossa boca

e ao estendermos as mãos
sobre a toalha da mesa do jantar
será apenas o cheiro do pão quente
a ficar  remotamente  entre os dedos
e uma jarra sem flores a tentar decifrar
a ausência de quem nos amava

e um choro a abandonar-nos naquele momento
em que o fim do verão nos explicava tudo.

de Alice Vieira

O meu comentário???
O "tudo" que passou a ser "nada"...
Um "nada" sem voz,
um "nada" ausente...
O fim do verão é o fim da distância...
Esse distância que não se explica....
Porque já se amou
e não se volta a amar assim...
Aquela será a última conversa...
Naquela mesa, com aquela toalha
que ficará esquecida,
na gaveta,
rejeitada,
culpada por ter ainda o cheiro do pão entranhado...

5 comentários:

Machado de Carlos disse...

A toalha deve contar toda a história. Uma conversa que marcou um fim. A distância fica perdida nos pensamentos. Algo ausente que sabemos que não voltará mais. Não temos o perfume, o suor, enfim nada...

Sandra disse...

E na toalha ficarão as migalhas de um amor vivido...
Beijo ( gosto mesmo, mesmo do que fazes aqui!!!)

meus instantes e momentos disse...

forte e denso.
gosto desse teu jeito de escrever.
maurizio

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Quem fez parte da
nossa história
nunca partirá de nós.
Para onde formos,
sentiremos os cheiros,
os sabores,
as lembranças...
Impossíveis de serem esquecidas,
enquanto em nós
habitar esta chama
denominada vida.

Que haja em ti sempre sonhos
por sonhar.

Daniel Costa disse...

Marta

Dos dois lado, talvez pensamentos sentidos das ausências. Ambos tem palavras que o expressam bem.
Beijos