quarta-feira, abril 20, 2011

SINCERA

SAUDADE

Magoa-me a saudade

do sobressalto dos corpos

...ferindo-se de ternura

dói-me a distante lembrança

do teu vestido

caindo aos nossos pés



Magoa-me a saudade

do tempo em que te habitava

como o sal ocupa o mar

como a luz recolhendo-se

nas pupilas desatentas



Seja eu de novo tua sombra, teu desejo,

tua noite sem remédio

tua virtude, tua carência

eu

que longe de ti sou fraco

eu

que já fui águia, seiva vegetal

sou agora gota trémula, raiz exposta



Traz

de novo, meu amor,

a transparência da água

dá ocupação à minha ternura vadia

mergulha os teus dedos

no feitiço do meu peito

e espanta na gruta funda de mim

os animais que atormentam o meu sono.



MIA COUTO


Raiz de Orvalho e Outros Poemas
 
O meu comentário???
Sossega o meu vento,
escreve-me no rasto do meu dia...
Silencia as minhas palavras com o teu beijo...
Volta a sorrir como dantes....
Na paixão sincera do meu corpo....
Porque todo o meu Mundo entrou em colapso....
Preciso da tua mão para entrar novamente....
No que resta da minha vida....

4 comentários:

Lídia Borges disse...

Este dialogismo tão íntimo entre os poemas é uma fonte de água a correr na transparência dos verbos e dos sentires.

Um beijo

Naty e Carlos disse...

Não importa o dia ou o mês do ano
que você se encontre,
importa sim, que no seu coração
a Páscoa sempre se faça presente,
e que você possa renovar sempre
o seu amor com aqueles que
necessitam
de uma palavra de conforto nas horas
difíceis,
que você torne-se um farol de luz
a iluminar as trevas
e caminhe com seu irmão ao encontro
de Jesus!
Bjs com carinho

Mariz disse...

Q a brisa possa levar essa saudade e deixar q um novo amanhecer te traga um novo sonho de amor.

beijos prá ti!

Cristal de uma mulher disse...

Metáforas onde cada palavra é desenhada com classe
Te felicito