sábado, maio 21, 2011

LONGAMENTE

COISA AMAR

Contar-te longamente as perigosas

coisas do mar. Contar-te o amor ardente

e as ilhas que só há no verbo amar.

Contar-te longamente, longamente.



Amor ardente. Amor ardente. E mar.

Contar-te longamente as misteriosas

maravilhas do verbo navegar.

E mar. Amar: as coisas perigosas.



Contar-te longamente que já foi

num tempo doce coisa amar. E mar.

Contar-te longamente como dói



desembarcar nas ilhas misteriosas.

Contar-te o mar ardente e o verbo amar.

E longamente as coisas perigosas.



Poema de Manuel Alegre
(enviado por Álvaro Lins)

O meu comentário???
Longamente amar-te.....
Sem respeitar as regras do verbo...
Porque amar é simplesmente amar...
Com paixão,
com esse ardor
que não se conta nas palavras...
Porque é misterioso
e os caminhos que traça na pele....
São infinitos.....
Tão infinitos como amar longamente.....

4 comentários:

Sandra disse...

Amor, amar, sabor a mar..
Beijinho

Álvaro Lins disse...

Só para dizer que passei aqui!
E continuo a gostar!
Abraço

JPD disse...

Amar
(H)mar
(A)mor
Amor!

Gosto pela elevada qualidade das tuas réplicas.
That's all!

Bjs

Paixão Lima disse...

«Porque amar é simplesmente amar...».
Comentário poético interessante. Só os poetas amam verdadeiramente. Mesmo quando amam o que criam: o longe e a quimera.