quinta-feira, maio 19, 2011

PRESENÇA

HINO À DOR


Sorri com mais doçura a boca de quem sofre,
Embora amargue o fel que os seus lábios beberam;
É mais ardente o olhar onde, como um aljofre,
A Dor se condensou e as lágrimas correram.
 
Soa, como se um beijo ou uma carícia fosse,
A voz que a soluçar na Desgraça aprendeu;
E não há para nós consolação mais doce
Que o regaço de quem muito amou e sofreu.
 
Voz, que jamais vibrou num soluço de mágoa,
Ao nosso coração nunca pode chegar...
Mas o pranto, ao cair duns olhos rasos de água,
Torna mais penetrante e mais profundo o olhar
 
Lábio, que só bebeu na fonte da Alegria,
É frio, como o olhar de quem nunca chorou;
A Bondade é uma flor que se alimenta e cria
Dos resíduos que a Dor no coração deixou.
 
Em tudo quanto existe o Sofrimento imprime
Uma augusta expressão... mesmo a Suprema Graça,
Dando aos versos do Poeta esse esmalte sublime
Que torna imorredoira a Inspiração que passa.
 
É por isso que a Dor, sem trégua nem guarida,
Dor sem resignação, Dor de estóico ou de santo,
Só de a vermos passar no tumulto da Vida
Deixa os olhos da gente enublados de pranto.
 
(António Feijó – 1859 – 1917)
(Enviado por Álvaro Lins)

O meu comentário???

O choro secreto....
O conflito de tudo -
raiva, indignação, revolta...

E o choro forte, pesado...
Magoa quem ouve...
Quem se sente impotente,
 às vezes....
Porque tem medo de não saber
a palavra certa....

Não há palavra certa;
há apenas a presença...





7 comentários:

Álvaro Lins disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Álvaro Lins disse...

O poema não comento, obviamente!
Quanto à tua análise, excelente!
"Não há palavra certa;
há apenas a presença...!
Um Abraço

Sofá Amarelo disse...

O que sobressai deste poema- além da musicalidade - são as rimas que António Feijó foi buscar, algumas delas mais invulgares mas que resultaram muito bem neste jogo de palavras que é um poema...

Graça Pires disse...

Só um poeta para fazer um hino à dor. António Feijó é excelente. Gostei do teu comentário nesta síntese: "O choro secreto... O conflito de tudo - raiva, indignação, revolta...
Um grande beijo.

Paixão Lima disse...

«Não há palavra certa;»
O Hino à Dor é o Hino à Vida, porque a vida é dorreassess

Sandra disse...

Ás vezes mais do que proferir a palavra certa, o melhor é dar o silêncio e ouvir.
Beijinhos

MCampos disse...

"Não há palavra certa;/há apenas a presença"... um magnífico complemento ao poema de António Feijó.

Beijinho, Marta... vou passando.