sábado, junho 11, 2011

GRANDIOSAS

Os amantes abrem o livro do que sentem
e só aceitam fechá-lo quando tudo
está já dito, sofrido, confessado.
Só eles existem enquanto a paixão dura
e só a luz do que sentem e sonham
é capaz de iluminar as veredas em que se perdem.
Só eles sabem o que sentem
e são de ontem, de hoje e de sempre,
eternos e livres, grandiosos e trágicos
como uma obra que quisesse resumir
a história toda do coração do mundo.

Excerto do poema "Último Poema dos Amantes" de José Jorge Letria,
in "O livro dos Amantes"

O meu comentário????
Nada resume...
Porque perdemo-nos
num labirinto de cores,
sensações e emoções....
Verdadeiras, vibrantes, grandiosas...
E, sim, livres
no nosso corpo, na nossa alma....
Nos risos e nos sonhos....
Encontramos a sensualidade,
o erotismo num desejo desconhecido,
que não nos atrevíamos a nomear....
Porque não era o momento
para vivermos a paixão....
É agora,
hoje,
neste instante, 
este minuto que é eterno...
Que, do nosso espelho nunca desaparecerá.....


4 comentários:

Álvaro Lins disse...

Cá estou eu para dizer o mesmo:).Torna-se enfadonho!
Mas excelente poema (gosto de J. J. Letria) e como é hábito, comentário a condizer.
Bjo

Sofá Amarelo disse...

José Jorge Letría esta finalmente a ser reconhecido como um dos grandes escritores do princípio de século. E ainda bem!

Paixão Lima disse...

O «Último Poema dos Amantes» de Jorge Letria vem provar a velha máxima de que os últimos são os primeiros. Poema muito belo. O comentário está ao nível do poema. É um elogio merecido. Um pensamento que traduz uma perspectiva: todo o momento é bom para viver a paixão.

Smareis disse...

Poema muito lindo. Todos os momentos vividos com paixão é valido. Gostei muito! Abraço com maravilhoso começo de semana. Um Beijo!