segunda-feira, junho 13, 2011

A VERDADE NA PELE

Apesar das ruínas e da morte,

onde sempre acabou cada ilusão,

a força dos meus sonhos é tão forte,

que de tudo renasce a exaltação.

E nunca as minhas mãos ficam vazias.



Sophia de Mello Breyner Anderson - Poesia**
 
O meu comentário???
Nem que seja o sol a beijá-las....
A Lua a acarinhá-las....
O simples respirar
quando tocam o rosto....
Nada é uma ilusão....
É a verdade da pele...
Do corpo despido
e vestido em sonhos....
Nunca esquecidos...
Nunca vencidos
ou vendidos...
Por isso, nunca
vazios...
 
** Poema já publicado no blog, mas comentário reescrito

5 comentários:

Je Vois la Vie en Vert disse...

Apesar de tudo, há sempre um amanhã...
Espero que esteja tudo bem contigo, amiga
Beijinhos
Verdinha

Paixão Lima disse...

É de pó e de ar que se alimentam as libélulas; disso é feito o brilho das suas asas.

tecas disse...

Nunca as mãos ficam vazias, quando exite na alma a flor da poesia. E, é da flor que estou a falar. A flor que existe na sua alma poética, capaz de fazer à réplicas à altura como ninguém. Pelo menos que eu conheça.
Parabéns querida Marta. É genial.
Bjito e uma flor

JPD disse...

Eis uma réplica que agradaria a Sophia.

Bjs

Graça Pires disse...

"e nunca as minhas mãos ficam vazias" A Sophia sempre excelente...
E como interpretaste bem: "É a verdade da pele...
Do corpo despido
e vestido em sonhos..."
Um beijo, Marta.