sábado, janeiro 25, 2014

LUMINOSIDADE



Tree Face” by Vernell Gibbs


Pergunto-me
O que fiz ao Vento
Para me maltratar assim
Logo que abri a janela

Há dias em que não me importo
com o mau humor do Vento
Mas, hoje, fiquei ofendida...
Tudo o que queria saber
era se a cor do dia seria o cinzento
Ou reencontraria a luminosidade do azul...

Não vou saber...
Fechei a janela às ameaças do Vento
Aos protestos da chuva,
que chegou apressada...

Fico só na luminosidade do meu poema....



6 comentários:

JP disse...

E que linda luminosidade :)))

O vento e as nuvens andam de mau humor ultimamente :((

Beijinho

Silenciosamente ouvindo... disse...

Um poema que gostei muito
apropriado ao mau tempo que está.
Irene Alves

Daniel Costa disse...

O dia não é luminoso não, mas podemos ver o poema de azul a brilhar.
Beijos

Sofá Amarelo disse...

O poema é mais luminoso do que um vento que sopra em tons de cinzento e ameaça as vidraças da janela e o nosso humor... mas se calhar nada fizemos de mal ao vento, ele é que também deve sentir-se ofendido com a chuva...

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Mesmo com vento as tuas palavras são maresia para os sentidos.

deixo um beijinho com carinho e agradeço a visita carinhosa.

Sonhadora

Braulio Pereira disse...

doce vendaval.

passaros voando.


tal qual


o sol iluminando..