quinta-feira, janeiro 30, 2014

PÁTIO



Posso contar-te muitas histórias sobre as horas que passei a costurar neste pátio.
Sem levantar a cabeça para aproveitar ao máximo a luz natural. Para não forçar tanto os olhos na escuridão das noites de Inverno.
Sem me atrever a sonhar com um vestido novo. Feito à medida, numa fazenda a gosto, e não com o que sobrava dos vestidos dos outros.
Não quero que fiques aqui neste pátio, presa a uma máquina de costura.
Quero que voes...
Quero que tenhas vestidos de marca, exclusivos, em tecidos deslumbrantes e sapatos que te moldem o pé.
Mas mais do que isso, quero que conheças o Mundo e que o Mundo saiba o teu nome.




Em resposta a um desafio lançado pela Pastelaria Studios em Janeiro 
e sobre esta imagem

7 comentários:

Graça Pires disse...

Tão belo o texto, Marta! Diz bem com a fotografia e com os sentimentos de quem quer, para os outros, mais e melhor do que aquilo que teve.
Um beijo.

Pérola disse...

Um pátio que conta histórias.

Beijinhos

Sofá Amarelo disse...

Há sempre um pátio encantado na infância de cada um de nós, um pátio onde as horas que passam são eternas e as histórias contadas à luz natural são mágicas...

Daniel Costa disse...

Marta, é um conselho a fazer todo o sentido.
A costureira não preveria este futuro de "Singer's" , mas parecia, não desejar ver a miúda a ser costureira.

Beijos

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Há um nostalgia antecipada neste poema e nesta imagem...

Gostei...

beijinho amigo

Nilson Barcelli disse...

Gostei do texto que fizeste como resposta ao desafio.
Para além de fazeres boa poesia, também fazes boa prosa.
Marta, tem um bom fim de semana.
Beijos.

Ailime disse...

Olá Marta, fabuloso texto envolto também em poesia. Um beijinho. Ailime