domingo, fevereiro 08, 2015

PALCO



O palco continua a ser meu
Mas o monólogo é diferente
Se bem
que as palavras sejam as mesmas...
Mais arrogantes,
mais cruéis talvez...
Ou talvez seja eu
quem esteja magoada...
Pela vida,
pelas palavras...
Ou...por mim própria!





TELA DE DOINA COSTRAS

6 comentários:

AC disse...

Qualquer palco requer envolvimento, seja em diálogo ou em monólogo. E isso transparece de si, Marta.

Um beijinho :)

Ailime disse...

Boa tarde Marta,
Que poema magnífico, forte!
Mas as palavras são libertadoras!
Beijinhos e bom domingo.
Ailime

Sofá Amarelo disse...

Os monólogos são sempre diferentes mesmo que as palavras sejam as mesmas... porque cada palco é como a vida, é gerido por nós próprios...

© Piedade Araújo Sol disse...

o palco será sempre nosso, seja monólogo drama ou comédia.
será sempre nosso enquanto existirmos.
um beijo

:)

Emília Pinto disse...

O palco é sempre nosso e devemos procura ser nele o principal personagem; se vamos rir, chorar ou simplesmente falar, não importa; o que interessa é que sejamos verdadeiras, mesmo sabendo que a plateia está quieta como que a censurar-nos. O cenario no palco é só nosso e, se quisermos será uma maravilha de cores perante o qual toda a plateia se sentirá bem . Muito bonito, Marta! Obrigada. Um beijinho
Emília

Agostinho disse...


Um arrepio na pele
perpassa pela noite
a sala sente o açoite:
a cada um o seu papel!