quarta-feira, setembro 16, 2015

DÓI



Dói-me o corpo...
Dói-me a alma...
E dói-me...
Não pensar em ti...
Nem mesmo em sonhos...



"WHY SO SAD" BY MICHAELA STEINACHER

7 comentários:

Emília Pinto disse...

Falar de amor...dar amor....deve ser em qualquer noite e de preferência todos os dias e dói, dói imenso quando se quer dar amor, recebê-lo ou até manifestá-lo com um sorriso nos lábios, um bom dia ao vizinho, um olhar alegre para quem por nós passa na rua e de volta não recebemos nada. Se for de grandes amigos ou de grandes amores, então a dor é tremenda. De certeza que os amigos de grandes passam a simples desconhecidos e os amores, esses, por muito que custe, o melhor é esquecer; " dói o corpo...dói a alma " mas o tempo acaba por nos ajudar e a cura chega; a ferida fecha e fica só a cicatriz que, de novo com a ajuda do tempo, desaparecerá. Beijinhos, Marta e, com versos simples consegues transmitir belas mensagens; é só saber "ler nas entrelinhas". Obrigada, amiga!
Emília

Agostinho disse...

A poeta reforça e confessa a sua paixão.

Jaime Portela disse...

Preso por ter cão e por não ter...
Belíssimo poema, gostei imenso.
Marta, tenha um bom resto de semana.
Abraço.

Ailime disse...

Boa noite Marta,
Um poema lindo que me deixou a pensar!
Por vezes as tréguas são necessárias para amenizar as dores.
Beijinhos,
Ailime

Daniel Costa disse...

Marta, há sempre a dor moral, mais difícil de esquecer. Em poesia, a maior parte das vezes, é factual apenas.
Assim o poema encanta.
Beijos

Sofá Amarelo disse...

E quando já não se pensa nem em sonhos é porque a dor se irá esvair... é o tempo a actuar...

Graça Pires disse...

Uma ausência magoa sempre...
Beijo.