terça-feira, dezembro 08, 2015

GRAVE PECADO



Hoje...
Pensei em escrever
uma história sobre o Sol...
Mas a chuva riu-se de mim,
fustigou-me o corpo e a alma
tão friamente que desisti...
E voltei derrotada para casa
Como se tivesse cometido um grave pecado...



FOTO DE JOSÉ ALEX GANDUM

5 comentários:

Daniel Costa disse...

Marta, poeticamente, temos de ter o poder de sempre evocar o sol. Enfim também há o direito a deixar chover na alma.
abraço

Sofá Amarelo disse...

O pecado nunca pode ser grave se o céu é um misto de azul e branco entrecruzado por sombras de Sol...

Jaime Portela disse...

Os castigos divinos derivados de eventuais pecados, penso eu, não passam de infelizes coincidências.
Mas quem anda à chuva pode molhar-se...
Magnífico poema, gostei imenso.
Marta, continuação de boa semana.
Um abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

escrever sobre o sol (ou o mar) nunca será pecado...

bom final de semana.

beijo

:)

Agostinho disse...

Belíssimo, Marta
Os combates quixotescos
dão sentido à existência
onde diz chuva o peão
o poeta colhe benção