sábado, dezembro 12, 2015

PERDI-TE





Perdi-te...
Perdi-te no silêncio da memória..
Esta memória que a madrugada afasta
e me deixa vulnerável...
Fazendo com que grite...


"LOVE AND DESIRE" BY CORINA CHIRILL

6 comentários:

Mar Arável disse...

Belo grito
Bj

Sofá Amarelo disse...

Madrugada cinzenta hoje, como cinzentos são os silêncios da memória, que tantas vezes levam a que os gritos sejam silêncios mudos... vulneráveis...

Daniel Costa disse...

A madrugada, será sempre poesia que se quer presente. Não haverá poesia como imaginada na madrugada.

Graça Pires disse...

O grito silencioso do amor. Muito belo, Marta.
Um beijo.

Ailime disse...

Boa noite Marta,
Muito belo e profundo este poema!
A sua poesia sempre em ascensão.
Beijinhos e boa semana.
Ailime

Agostinho disse...


Brilhantíssimo, Marta.
Fico espantado!
O brilho dos axiomas do amor
cresce com a contradição na dor.