quinta-feira, março 27, 2008

O TEMPO DO TEMPO

Saudades do nada



tenho Saudades do Nada,

entro em tua casa

inundada de rosas.



escrevo poemas de amor,

de amor,

jardineira do sol,



e é o que eu sou deitada em teu colo



de Maria Azenha, "Saudades do Nada"



O meu comentário??

O tempo em que o tempo nos pertencia...

Totalmente...

Os cheiros penetrantes, fortes....

A harmonia, a paz, a sintonia...

O tempo da descoberta, do amor sincero....

De poemas pequenos...

de palavras banais, simples...

Mas sempre sinceros...............

3 comentários:

velaaovento disse...

Como me tocou, neste momento, a poesia e o seu comentário...
Belo post!
Beijo

Verônica Martinelli disse...

"O tempo em que o tempo nos pertencia..."]

Quem não sente saudade disso, sempre no fim dos poemas sinceros...


Beijos!!!

Sol da meia noite disse...

Tempos em que nos sentimos donos do tempo... tempos em que o tempo nos foge...

Beijinhos