segunda-feira, maio 26, 2008

RARA

Tudo o que faço ou medito


Fica sempre na metade.


Querendo, quero o infinito.


Fazendo, nada é verdade.·



Que nojo de mim me fica


Ao olhar para o que faço!


Minha alma é lúcida e rica,


E eu sou um mar de sargaço.



Fernando Pessoa

O meu comentário???
Raramente estamos felizes com que escrevemos..
Há sempre um pormenor que podia ser mais trabalhado...
Ser mais perfeito...mais completo....
O infinito é a fantasia que nos completa a alma...
Nos faz sentir ricos....
Em lançarmos a palavra e esta nos ser devolvida com outras que a completam..............

======

Para celebrar hoje o meu aniversário, além do vosso comentário ao post acima, gostava que me deixassem um excerto do vosso poema favorito....

Um beijo....

12 comentários:

Sol da meia noite disse...

Realmente nem sempre se gosta do que se escreve... é natural.
Importa que se escreva o que se sente, da forma mais simples...

Não tenho nenhum poema favorito, até porque acho que a toda a hora nascem poemas, e o que teria sido favorito, poderia deixar de o ser...
Fico-me pois pelo imenso amor à poesia. E deixo-te algo em jeito de parabéns :-)))

"Aqui estamos tempo
e aqui te cumprimos."

in Como um Relógio de Areia
de Vieira Calado

Desejo-te um feliz dia.
Parabéns!!!

Beijinhos

DelfimPeixoto disse...

Uma surpresa encontrar-te
bj

O Profeta disse...

Uma voz quebra o silêncio
Um espelho retêm a beleza
Vi com os olhos fechados
A fúria da minha incerteza

Fecham-se as janelas de poente
Este nevoeiro galga o pensamento
Uma semente solta num ribeiro
Corre no incerto de cada momento


Deixo-te uma doce acalmia


Mágico beijo

RENARD disse...

Parabéns Marta:

Que tenha um resto de dia cheio de alegria e coisas boas...

Aqui deixo o excerto do meu poema preferido:

"Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,~
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.
Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando. "

Nilson Barcelli disse...

Não sei se é o meu poema favorito.
Pensando bem, não tenho nenhum digno desse nome.
De qualquer modo, como "prendinha" de aniversário, deixo-te um excerto de que gostei.

Eu e tu,
somos vampiros ao sol
de olhos fechados
no mel de nós mesmos,
como pássaros a beijar
sementes de sésamo
na fuga ao mito da caverna.
Eu e tu, na verdade,
somos poemas de abraços.

Um abraço e beijinhos para ti.

tufa tau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
tufa tau disse...

olá marta
ontem não percebi que era o teu aniversário, desculpa. tantas vezes tenho lido acima e pensado..."quando for dia 26 tenho que cá vir deixar um beijo". a tua nova teia traiu-me.

quando a preferência... não sei... tanta coisa... as palavras, quando bem usadas, são um dom. gostava de te deixar umas palavras que li e que gostei muito... não as sei de cor. vou tentar procurá-las e voltarei.
para já deixo o beijo e o abraço. daquele que vales muitas palavras.
parabéns

tufa tau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
tufa tau disse...

posso deixar-te uma música?
não eram estas mas são bem melhores
"o resto é mar...
é tudo o que não sei contar..."

com amor

BC disse...

Olá Marta!
Parabéns, com um dia de atraso, mas
não faltei.
Fernando Pessoa - Triste
O teu comentário - Há sempre uma palavra que nos falta, mas ela será completada algures...
Quanto ao excerto escolho um de um dos muitos poemas feitos por mim,
dedicado à minha filha:
_" Mariana Mulher -Menina"
.... De mãos dadas
partilharemos
o mar, o campo, as flores.
e nas asas da ave colorida
voaremos as duas
em sonhar
pelo infinito.
Este é o fim do poema
Um :)

Pedro M disse...

Parabéns Marta!

Bem sei que já foi ontem, mas ontem a ligação que tive à net era muito má e acabei por só colocar o meu post.
Primeiro um comentário ao teu post: é impossível ser-se perfeito. Citando o próprio Pessoa, "Tudo vale a pena, quando a alma não é pequena". As nossas imperfeições, são a marca da nossa humanidade. Reconhecê-las, é a marca da nossa humildade. Construir sobre elas e apesar delas, é a marca de que a nossa "alma não é pequena".

Pedes-me um excerto do meu poema favorito. Bem não sei se é o meu favorito, mas é de certeza um poema que me impressiona (acho que é a palavra que melhor descreve o que sinto quando o leio):

"Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!"

Excerto de Cântico Negro de José Régio

Alvaro Gonçalves disse...

Oi meu anjo,

Primeiro que tudo Parabéns, são os meus votos.
Segundo vai ser dificil fazer exactamente o que pedes, pois existem muitos, mas o que mais me marcou e já lá vão muitos anos mesmo é este de Elizabeth Barret Browning, mas não consigo separar apenas uma parte pois amo-o na totalidade, então deixo-o na integra:

Amo-te

Amo-te quanto em largo, alto e profundo
Minh'alma alcança, quando, transportada,
Sente, alongando os olhos deste mundo,
Os fins do ser, a graça entressonhada.

Amo-te em cada dia, hora e segundo:
À luz do sol, na noite sossegada.
E é tão pura a paixão de que me inundo
Quanto o pudor dos que não pedem nada.

Amo-te com o doer das velhas penas,
Com sorrisos, com lágrimas de prece,
E a fé da minha infância, ingénua e forte.

Amo-te até nas coisas mais pequenas.
Por toda a vida. E, assim Deus o quisesse,
Ainda mais te amarei depois da morte.


Elizabeth Barret Browning


Beijos de luz e esperança...