segunda-feira, junho 23, 2008

GRITAR

Vai-te, Poesia!






Deixa-me ver a vida



exacta e intolerável



neste planeta feito de carne humana a chorar



onde um anjo me arrasta todas as noites para casa pelos cabelos



com bandeiras de lume nos olhos,



para fabricar sonhos



carregados de dinamite de lágrimas.






Vai-te, Poesia!






Não quero cantar.



Quero gritar!






José Gomes Ferreira







O meu comentário???







O grito que todos nós queremos dar e às vezes, não conseguimos...







Ficamos mudos......sem saber como reagir a tal injustiça....







Essa injustiça que infesta os sonhos....







Liquida a vontade....







Por a vida ser tão crua e rasgar os sentimentos....







A Poesia???







Deve ficar....Sempre...







Para gritar essa injustiça............



5 comentários:

Só Eu disse...

Marta
Sempre que quero ler boa poesia venho ter contigo...
Mais um do Militante, lindo... e excepcionalmente comentado.
beijinhos

Lyra disse...

Olá,

Venho agradecer a tua visita e as palavras que depositaste no meu...caos.

"Gritar" a poesia alivia sempre a alma! E é um execelente purgante contras as injustiças da vida.

Desejos de uma excelente semana para ti.

Beijinhos e até breve.

;O)

O Profeta disse...

Terás comentado por mim...faço tuas as minhas palavras...


Doce beijo

Xinha disse...

Gritar faz bem.. liberta a alma e espanta os espiritos! :)
O grito pode ser chorado, falado ou até mudo.. mas há que gritar !!
Grande visão do poeta sobre a humanidade.

Belo momento.

Xi-coração

RENARD disse...

Marta:

Sabes, como não "jogo com o baralho todo", uma das minhas excentricidades é ir à praia de Inverno e gritar contra o vento que vem do mar. Apenas berrar! Chorar! Até cair de joelhos aos soluços...
Podendo parecer violento, não o é... Funciona como uma catarse.
De momento bem precisava de "mandar uns valentes berros" mas julgo que iria incomodar as pessoas que estarão a fazer praia... ;)

Obrigada pelo chá...

Beijos