sábado, setembro 27, 2008

NEM ISSO

Quis-te


Quis por ti lutar

E fiquei-me cobarde,

Quis falar-te

e descobri-te já tarde.

Quis dizer-te

E não te escrevi

Quis-te num carinho e já não te vi.

Quis amar-te

E não te encontrei,

Quis olhar-te

E não sei onde te deixei.

Quis dar-me a ti

E acabei por ver

Que nada sobrava de mim


José Miguel Costa (Livro "Náufrago na enseada do destino")


O meu comentário???


Não sei mesmo onde te deixei...


A minha paixão, o meu amor...


Tudo o que pensei que era unica e exclusivamente meu...


Esqueci-me....


Do cansaço da espera...


Do Sol que brilha lá fora....


Da vida dos outros, na qual não mando....


Nem na minha acabo por mandar....


Pois tudo perdi....


Tenho apenas a certeza do meu nome...


Ou nem isso...............

5 comentários:

Sol da meia noite disse...

Não podemos deixar passar o tempo.
Há um tempo certo para cada coisa... também para o amor.

Beijinho *
:-)

Bill Stein Husenbar disse...

Lindo.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Marta, belíssimo poema!... Adorei Amiga!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha

Só Eu disse...

Tens um dom que não se explica. Partilhas comigo poesia que eu gosto. Escolhas perfeitas que ilustram estados de alma.
Para além disso tudo comentas como ninguem. É uma delicia.
Beijinhos

Fernando Rodrigues disse...

Lindo, parabéns!