sábado, julho 12, 2008

PERDIDO NO TEMPO

David Mourão Ferreira



"PARAÍSO"




Deixa ficar comigo a madrugada,


para que a luz do Sol me não constranja.


Numa taça de sombra estilhaçada,


deita sumo de lua e de laranja.




Arranja uma pianola, um disco, um posto,


onde eu ouça o estertor de uma gaivota...


Crepite, em derredor, o mar de Agosto...


E o outro cheiro, o teu, à minha volta!




Depois, podes partir. Só te aconselho


que acendas, para tudo ser perfeito,


à cabeceira a luz do teu joelho,


entre os lençóis o lume do teu peito...




Podes partir. De nada mais preciso


para a minha ilusão do Paraíso.






O meu comentário???


Uma ilusão...





Um desejo....





Presos entre as recordações....





Entre os lençóis amarrotados....





Alguém que parte e leva parte de nós...





As dúvidas eternas....





Respostas que se encontram...





Com o tempo...





Que julgamos ter perdido, mas está sempre ali........

5 comentários:

Só Eu disse...

É dificil não gostar de David Mourão Ferreira. Escolheste muito bem e comentaste de forma interessante.
Parabens (mais uma vez) e Beijinhos

ematejoca disse...

Marta:
Vi o seu nome no blogue da Renard, e pensei que era de Vila do Conde, afinal é da minha cidade P O R T O.

Dei uma vista pelo seu blogue e vi que é uma grande admiradora do Pablo Neruda. Nao é o poeta da minha vida, mas conheco bem a sua poesia.
Bem, hoje temos o nosso David Mourao Ferreira, que também nao é mau. Conheco melhor a prosa dele.
A poesia do Mário Cesariny conheco muito mal. Gostei de ler.
Tenho mais amor aos nossos poetas de outros tempos.

Saudacoes de Düsseldorf!

Poesia! disse...

olá!
sou adm. do O Fogo Anda Comigo (thefirewalkswithme.blogspot.com)
e gostaria de ser um parceiro seu...
abraços!

o alquimista disse...

Diz ser um anjo na Terra, os olhos do Deus Bendito, deixado neste pequeno mundo por outro Anjo de olhar aflito. Apareceu como por encanto, nasceu do nada, terá nascido!?


Solenes são os sentires de um Mago


Virão ventos de bonança ao teu coração


Um suave beijo

Sol da meia noite disse...

Que bonita que é esta poesia...!

Realmente existem luzes fortes que iludem e luzes ténues que encantam...

Beijinho *