segunda-feira, julho 07, 2008

ULTRAPASSA

Amor, quantos caminhos até chegar a um beijo,


que solidão errante até tua companhia!


Seguem os trens sozinhos rodando com a chuva.


Em tal não amanhece ainda a primavera.


Mas tu e eu, amor meu, estamos juntos,


juntos desde a roupa às raízes,


juntos de outono, de água,


de quadris, até ser só tu, só eu juntos.


Pensar que custou tantas pedras que leva o rio,


a desembocadura da água de Boroa,


pensar que separados por trens e nações


tu e eu tínhamos que simplesmente amar-nos


com todos confundidos, com homens e mulheres,


com a terra que implanta e educa cravos.


Pablo Neruda


O meu comentário???

O que ultrapassa...

As convenções...

.........os limites, a linha do horizonte....

Mesmo as estações.....

De que os cépticos desconfiam....

Mas os verdadeiros amantes vivem...

Com os altos e os baixos....

Com os risos e as lágrimas....

Simplesmente....

Amar é isso....

Sentir-se completo....

Verdadeiramente........

6 comentários:

Pjsoueu disse...

Marta, Amar e ser amado é auge da vida. mesmo nas dificuldades levantadas em cada esquina do horizonte.

Gostei do poema do Pablo e neste momento da tua "opinião", particularmente.

bjs do Pj

Carla disse...

porque as convenções podem matar o amor...porque quebrar barreiras nem sempre é fácil...é preciso dar espaço ao amor para poder florir!
beijos

Só Eu disse...

Amar é isso... Sentir-se completo...Verdadeiramente...
Claro que é isso!
Bonito Marta. Bonito.
Mil beijinhos

O Profeta disse...

Tu és diferente...sente-se...!


Doce beijo

Dois Rios disse...

O amor vive da beleza de existir.
Bj.

Xinha disse...

Apesar de eu chegar com a Chuva de Inverno, com o apropriado guarda-chuva... o amor, não vê estações, não destingue limites...

"O amor não é apoderar-se um dou outro para completar-se... mas, dar-se ao outro para o completar"

Belo.

Xi-coração